3 de jun de 2015

150. DESCONECTAR PARA CONECTAR.

Visita na casa de alguma avó.
Esses dias recebemos uma mensagem de nossa filha que está há quase um ano na Austrália: “Por aqui está tudo bem, não se preocupem. Mas, vou fazer uma experiência e ficar três dias sem o celular.” Perguntei o motivo e obtive como resposta: “Mãe, eu quero perceber o que estou perdendo ao meu redor enquanto fico conectada ao mundo.” Achei brilhante a sua ideia e visão, mas queria me certificar se havia algum outro motivo. Coisas de mãe. Imediatamente conectei o facetime para me abastecer, acalmar, vê-la e saber mais. Pausa. Viva sim esta tecnologia que tem muitos benefícios. Mas,  encaremos de frente. Estamos viciados nela. E isso tem atrapalhado também a relação entre pais e filhos. Um exemplo? Observe qualquer lugar onde haja família “unida”. Restaurante, shoppings, festas. Em geral, cada um está no seu mundo. E Gabi tem razão: estamos tão plugados que mal percebemos o que e quem está ao nosso redor. Quando saímos em família, em geral, nossas filhas pedem para não levarmos os celulares. Não é maravilhoso? Sinal de que gostam e priorizam a nossa presença e gostam de conversar conosco. Mas isso não é sorte ou surgiu do nada. Investimos para tanto. E é esse desafio que quero propor: desconectar-se um pouco do mundo que está nas mãos para se conectar, sem distração, com a família. Relação entre pais e filhos se aprende e requer atenção, intenção, continuidade, espaço, diálogo, carinho, respeito, prazer, confiança, troca, tempo entre outras construções. Não se dá por um acaso. Atente ao seu redor e não perca a principal conexão.


5 comentários:

  1. Lígia, Excelentes ponderações. De fato precisamos ficar atentos ou a tecnologia tornará a distância entre filhos e pais um abismo cada vez mais difícil de ultrapassar.

    ResponderExcluir
  2. Tantas novas maneiras para nos conectar e, cada vez mais, nos vemos mais desconectados uns dos outros. Muito obrigada pela base que me deu e por ter me ensinado, desde pequenina, a ter um olhar diferente ao mundo ao meu redor. Sou muito grata pela educação que tive. E mais uma vez, obrigada por me orientar nos voos que faço e por acreditar em mim sempre. Te amo e vivo de saudade.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo6/05/2015

    Aos meus 45 anos sei que não estou pronta para me desconectar. Parabéns Gabriela! Parabéns Lígia pela educação dada.
    Edna Soares

    ResponderExcluir
  4. Anônimo6/05/2015

    Desconectando...
    Muito bom o texto, Lígia Pacheco. E os da Revista Pais & Filhos estão maravilhosos também. Seguindo-a.
    Vera Alice

    ResponderExcluir
  5. Anônimo6/10/2015

    A relação que você tem com suas filhas é linda.
    Parabéns!
    Fabio Lima

    ResponderExcluir