15 de jul de 2015

156: FAÇA DA ALFABETIZAÇÃO UM CAMINHO INSTIGANTE.


Comece assistindo ao video.


Fui alfabetizada, como muitos, pela cartilha “Caminho suave”. Eu não achava tão suave assim e havia palavras que não existiam no meu mundo. Trabalhávamos as sílabas, que depois eram juntadas formando palavras, e então em frases e em histórias bem sem graça. Não havia liberdade. Tinha que seguir a ordem. O “DA DE DI DO DU” não podia ser trabalhado antes do “BA BE BI BO BU”. Aliás, demorou muito para chegar ao “LA LE LI LO LU” onde tinha o LI do meu nome. Mas eu tinha pena mesmo era do Valter. Até chegar no “VA VE VI VO VU”!!! O fato é que chegou, mas o texto dizia: “Vovô viu a uva!” Nem Lígia e nem Valter faziam parte da história, e nem sabiam nada de uva. Mas vovô viu a uva! E eu queria tocá-la, vê-la, cheirá-la, prová-la. Seria bem melhor para escrever e ler sobre ela. Mas repeti e reproduzi a cartilha como muitos. Mas os avanços das ciências fizeram com  que hoje vejamos a alfabetização de modo bem diferente. Sabemos que é bom fazer sentir, ter sentido, saber do seu uso, e principalmente, ser construída pela criança. No vídeo, vemos o garoto soletrando BRAHMA com a ajuda de um adulto, mas ao final lê “cerveja”, pois é isso que contém na caixa e faz sentido a ele. Afinal, qual o sentido de um “B” isolado ou de qualquer letra? Nenhum. Então, que tal fazer diferente nesse exemplo? Não soletre. Leia a palavra inteira, discuta o sentido dela ali, fale das marcas. Brinque e desafie o seu filho a formar palavras que comecem e terminem com BRA, com MA. Faça ele pensar na escrita e no uso dela, e não a ficar como papagaio repetindo letras. Isso já fizemos.

6 comentários:

  1. Perfeito Profa. Lígia! Quanto mais sentidos forem trabalhados no processo mais sentido a criança verá nisso tudo. Belo vídeo, grandes dicas!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo7/18/2015

    Que bom que Meus netos não precisam passar pelos mesmo que passei! Que bom por mentes brilhantes como a sua, investindo na melhoria da educação! parabéns Ligia!
    Rubens Magali Luz

    ResponderExcluir
  3. Anônimo7/18/2015

    A criatividade da criança ficava limitada ao tempo da Professora, uma construção lenta, válida para aquela época. Hoje, com tantas informações à disposição, a criança constrói sua alfabetização com tentativas de escritas das palavras que fazem parte do seu centro de interesse...
    Edna Marchini

    ResponderExcluir
  4. Anônimo7/18/2015

    Muito bom
    Norma Viscardi

    ResponderExcluir
  5. Anônimo7/18/2015

    Lindo texto. Reflexivo e prático. Parabéns! E obrigada.
    Cris Santos

    ResponderExcluir
  6. Como aprendo com você. Muito obrigada por compartilhar essa sua visão sobre a educação. Incrível como simples fatos do dia a dia ganham novas cores sob teu olhar. Parabéns.

    ResponderExcluir