21 de mai de 2015

148. CUIDADO COM O QUE SE ENSINA!

The babes in the wood de Thomas Crawford.
Metropolitan Museum - NY

Esses dias ouvi uma história de um adulto que serve de reflexão e alerta na educação dos filhos. Contava que na infância sua mãe dizia aos filhos que quando não se arrumava a cama o anjo da guarda não saia dela e portanto não os acompanhavam durante o dia. Apavorados, eles não falhavam. E a mãe resolveu o seu problema de reclamar todo dia. Já adulto, um dia saiu sem tempo de arrumar a cama. Bateu o carro e logo se lembrou do que a mãe dizia. Tentei receber essa informação como uma criança e tive logo uma angústia: Se o anjo da guarda não levanta da cama, logo ele dorme comigo. E se assim for, e como não o vejo, posso criar medos. “O que ele pode fazer comigo?” “E se eu deitar em cima e o machucar?” Mas pensando como adulta e com o que já construí até aqui, continuei a conversa. Notamos que várias outras vezes ele não tinha arrumado a cama e nada havia acontecido. Duvidou então dessa verdade. Mas confessou a angústia que sentia. Nem sempre queria arrumar a cama, mas morria de medo de não fazê-lo. A questão aqui não é se o anjo da guarda fica na cama, se ele existe, se é verdade isso ou aquilo. O fato é que a infância deixa marcas profundas em nossa vidas que dirão do nosso ser. A ela agradecem os psicólogos e analistas. Muitas vezes usamos de fantasias com as crianças para facilitar a resolução de um problema, ou apenas repetimos “verdades” sem pensar. Sugiro fazer sempre uma “faxina” nos conceitos e ações antes de passá-los adiante. Resolver um problema e arrumar outro não parece boa pedida. A não ser para psicólogos e analistas.

5 comentários:

  1. Anônimo5/21/2015

    Mais uma vez você me encantou.
    Seu sempre aluno e fã
    Luis Filho

    ResponderExcluir
  2. Anônimo5/21/2015

    Ligia, faz muito sentido o que você falou. Quando eu era criança minha babá me enchia de medos para eu ficar sempre ao lado dela. Qualquer exploração que eu fosse fazer longe de suas vistas ela dizia: "Cuidado que ali tem um monstro que come crianças!" É óbvio que isso interferiu no meu jeito de ser e me deixou uma pessoas medrosa, que gasta rios de de dinheiro com analista. Criar monstro é fácil, mas para matá-los é bem complicado.
    Excelente tema. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. Excelente análise. Sutil e profunda. Seu olhar me encantando mais a cada dia. Te amo.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo5/22/2015

    Obrigada Ligia por nos abrir os olhos. Quanta generosidade! São maravilhosos os seus textos.
    um beijo em seu coração
    Amanda SP

    ResponderExcluir
  5. Anônimo5/25/2015

    Alerta bem importante para a nossa reflexão.
    Valeu Ligia. Os seus textos são sempre maravilhosos.
    beijo grande
    Ana Santos

    ResponderExcluir