15 de mai de 2015

147. A IMAGEM E A MENSAGEM.


Esta imagem virou um viral nas redes sociais, pois é mesmo impactante, emocionante e forte. A foto descrita como “irmã de dois anos e meio protegida por irmão de quatro anos no Nepal” logo nos faz associar aos terremotos recentes na região que tantas mortes e destruições causaram. E imaginar que as crianças ficaram órfãos. Dói só de pensar. Mas, segundo a BBC News essa foto foi tirada em 2007 em Can Ty no Vietnã pelo fotógrafo Na Son Nguyen. Ele conta que passava pelo vilarejo e parou para observar duas crianças que brincavam enquanto os pais trabalhavam na lavoura. A menininha chorou com a chegada de um estranho e o irmão abraçou-a para confortá-la. Nguyen achou emocionante e fez imediatamente o registro. Claro que, independente da história real da foto, deve haver várias crianças no Nepal agora em semelhante imagem. Volto a ela. Note a linguagem corporal das crianças. O que ela me diz? Que o tamanho da emoção da criança, seja de medo, alegria, raiva, tristeza, afeto, independe do tamanho da problemática da história. Por isso, não devemos menosprezar a intensidade da emoção infantil dizendo “isso não é nada”, “é bobagem” ou ainda comparando com as nossas emoções que parecem sempre maiores. Para a criança as suas emoções são reais e intensas e precisará de vivências para conhecê-las e aprender a lidar com elas. Deve assim ser reconhecida, respeitada e acolhida como fez o irmão e ir além. Deve-se cuidadosamente trabalhá-las para o seu equilíbrio e amadurecimento. 

13 comentários:

  1. Anônimo5/15/2015

    Muito bom o texto, Lígia. Curto e grosso como sempre. Parabéns!
    Ana Carolina Souza

    ResponderExcluir
  2. Anônimo5/15/2015

    Gostei muito. Acho incrível como você consegue ver o que para muitos é invisível. Qual o segredo?
    beijo grande
    Lia Lopes

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu texto.As crianças precisam disso tudo e mais um pouco.Tive o privilégio de ter você como professora por um semestre na faculdade Sumaré.Bjsssssss

    ResponderExcluir
  4. Excelentes percepções. De fato tendemos a minimizar e mesmerizar os sentimentos das nossas crianças...obrigado pelos alertas!

    ResponderExcluir
  5. Anônimo5/19/2015

    Muito interessante. Recomendo a leitura. Divulgo porque conheço e mantenho admiração pessoal por Ligia Pacheco amiga querida!
    Susana Teixeira Floriano

    ResponderExcluir
  6. Anônimo5/19/2015

    Muito bom seu comentário ao final do texto!
    Mônica Japiassú

    ResponderExcluir
  7. Anônimo5/19/2015

    Ao mesmo tempo é - define. A imagem é transcedental e atemporal. Nao importa o tempo nem a circunstancia.
    Roberta Almeida

    ResponderExcluir
  8. Anônimo5/19/2015

    Muito amor, muito envolvimento, envolvido!
    Verônica Lourdes Moraes

    ResponderExcluir
  9. Anônimo5/19/2015

    É, Ligia, é trabalhoso, mas necessário!
    Só conseguimos fazer nossa filha menor parar de fazer birra quando NÓS mudamos nossa atitude e começamos a compreender melhor as emoções dela e a demonstrar pra ela que estávamos sendo empáticos.
    Difícil, mas recompensador!
    Mônica Japiassú

    ResponderExcluir
  10. Anônimo5/19/2015

    Amei amiga Ligia Pacheco
    Ana Paula Marques

    ResponderExcluir
  11. Anônimo5/19/2015

    Muito bom o texto.
    Gorete Barretto

    ResponderExcluir
  12. É lindo de ver como fatos mundanos ganham outra cor diante de seus olhos. Como você me inspira! Amei o texto. Simples e profundo. Você é incrível!

    ResponderExcluir
  13. Anônimo5/21/2015

    Que lindo! A idade dos meus! eles brigam tanto. Mas acabei de presenciar uma cena pra vida toda... Ela chorou pq ele pegou o último pedaço de pao e ele tirou da boca e deu pra ela, eu só observei...
    Monike Nakayama

    ResponderExcluir