23 de abr de 2015

144. QUE TIPO DE PAI/MÃE EU SOU NA ESCOLA?


Aposto que você já ouviu na escola do seu filho a palavra “parceria”.  Por que as escolas têm insistido tanto nisso?
Voltemos um pouco no tempo. Pais trabalhavam fora e eram os provedores. Mães cuidavam da educação dos filhos, enquanto a escola instruía. Rapidamente essa realidade ficou para trás. Pais e mães viraram profissionais e coube à escola todo o resto. Há vários anos, quando eu era professora de crianças, uma mãe veio reclamar que eu não estava ensinando o seu filho a rezar (e a escola era laica!) nem a amarrar o tênis. Fiquei pensando nas mudanças que estavam ocorrendo e nas que estavam por vir. A escola, diante da nova realidade, viu-se com papéis acumulados e com obrigações que não eram dela. Com o tempo e com o desenvolvimento das ciências, a escola percebeu que o seu papel era bem maior que a instrução, mas se viu sobrecarregada e começou a falar em parceria, explicitar os papéis de cada um e a colocar limites, ainda que escutasse injustas reclamações de incompetência. Pense: você tem um filho para educar. A escola tem muitas crianças! Não dá para terceirizar a educação dos filhos! Mas complementar as educações, escola e família, pode ser uma proveitosa e maravilhosa parceria. Então vamos lá. Que tipo de pai/mãe você está sendo? O que cabe a você e à escola? Pode melhorar o seu papel? Pode ser mais parceiro? Pense cuidadosamente, pois entre a escola e a família há o seu filho. E lembre-se que reflexão sem ação pode levar à tomada de consciência. Que já é bom, mas não é muito.

16 comentários:

  1. Anônimo4/23/2015

    Prezada Lígia,
    Tenho uma escola e vou imprimir e colar na entrada da escola o seu texto. Urgente. Obrigada.
    Fernanda Lemos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fernanda, como já trabalhei muito em escola e hoje dou assessoria a elas, sei bem as necessidades. :)
      Grata por compartilhar.
      Abraços

      Excluir
  2. Anônimo4/23/2015

    Lígia,
    Não tenho mais filhos na escola, mas amei o final do texto. Serviu para outras reflexões.
    Grande abraço,
    Teresa Mendonça

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Teresa. Reflexão sem ação é semelhante a nadar e morrer na praia.
      Grande abraço

      Excluir
  3. Gostei muito do texto! Enriquecedor! Obrigada por compartilhar seu conhecimento conosco! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila querida, que lindo você ler, comentar, agradecer. Já disse hoje que te amo? Te amo.
      bjs bjs

      Excluir
  4. Anônimo4/24/2015

    Mais uma publicação de Ligia Pacheco, que vem contribuir para o fortalecimento das relações entre escola e família... Vale a leitura!
    Edna Marchini

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edna, parceira querida das pesquisas pelo mundo, obrigada.
      bj bj

      Excluir
  5. Anônimo4/24/2015

    Excelente texto!!
    Andrea E Gus Bettoni

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andrea,
      Aposto que você é do tipo de mãe parceira. :)))))
      Grande abraço.

      Excluir
  6. Anônimo4/24/2015

    Ótima reflexão,
    Tarci Nascimento

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tarci querida,
      Reflexão é sempre bom, em especial, quando é seguida de ação.
      bj gde

      Excluir
  7. Anônimo4/24/2015

    Ligia Pacheco, você faz trabalhos com os pais?
    Helena Freitas

    ResponderExcluir
  8. Helena, eu realizo palestras e cursos aos pais. Afinal, temos faculdade para tudo menos para o nosso principal projeto: filhos. E sabemos que o conhecimento amplia a nossa visão e as possibilidades de acertos.Os cursos são dinâmicos e bem voltados à realidade que vivemos. Parto da prática, fundamento e volto a ela.
    No alto da página à esquerda, você encontra um box "Palestras e Cursos." Clique lá e encontrará algumas sugestões. Há também meu email.
    grande abraço

    ResponderExcluir
  9. Excelente análise e reflexão. Parabéns por sua habilidade de questionar o mundo ao seu redor. E parabéns por deixar sua marca por onde passa. Muito obrigada por compartilhar suas reflexões! beijo saudoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, minha flor da manhã,
      O conhecimento e a experiência de vida ajudam-nos a perceber melhor. Por isso, os orientais valorizam tanto os mais velhos. Infelizmente, com a globalização, talvez eles deixem de pensar assim.
      Te amo. Saudades.

      Excluir