6 de mar de 2015

140. EDUCAÇÃO PELO MUNDO: Índia e a Educação por Projetos: Srishti School (Bangalore).


Srishti School of Art, Design and Technology fica em Bangalore, principal hub de alta tecnologia e telecomunicações da Índia. Também conhecida como o coração do Vale do Silício Asiático. Cidade bem desenvolvida, mas como toda a Índia, também repleta de pobreza. Em Sristhi, há um projeto bem interessante e que pude vive-lo tal qual os fundamentos que ele proclama. Primeiro, a experiência. Explorar sem muito pensar. Segundo, pensar a respeito e de diferentes formas. Terceiro, voltar-se à experiência modificando-a. E foi exatamente assim que a Faculdade nos recebeu. Com um grupo de alunos do primeiro ano, ano que é destinado, intencionalmente para bagunçar os conceitos. Participamos dos conhecimentos de Kabir, o místico e popular poeta do século XV, que nos foi apresentado por músicas, histórias, documentários, vivências corporais, vivências sociais e depoimentos de diversos indianos que diziam da origem e da morada do conhecimento, enquanto expressavam seus modos de ver a vida, de dar sentidos a ela e encontrar sua missão na mesma. Pensamentos que pareciam alcançar uma ideia comum: o ser interior. Leia alguns retirados dos depoimentos.
“O conhecimento mora na experiência e então suas ações determinam quem você é!”; “Mas quem determina o que é bom ou ruim?”; “Minha ação é a minha religião.”; “Se você aprendeu só em livros, o seu conhecimento está limitado entre A a Z. É preciso ir além disso.”; “Muito do conhecimento já está em nós. É preciso saber olhar.”; “Se você enxerga a guerra fora é porque você tem a guerra dentro. Se você vê o amor fora, é porque você vê o amor dentro.”; “Muito do conhecimento, que vai além do A a Z, só pode ser encontrado no silêncio.”; “A verdade está nos seus olhos e há coisas que não se nomeiam.”; “Eu achei Deus na pupila dos meus olhos!” E assim seguiu, até o momento que conversamos com os alunos fazendo trocas de conflitos gerados pelo o que tínhamos já construído em nós e pelo o que foi ali apresentado. Muito rico o modo com os indianos vêem essas questões. Colocou-me para pensar. Objetivo atingido: provocou-me a desestabilização dos conhecimentos já construídos. Maravilha! 
Um rápido lanche e então, uma exposição liderada pela coordenadora Arzu Mistry sobre como a Faculdade se desenvolve, os seus projetos interdisciplinares e reais e como ela age de forma transformadora na comunidade. 
Almoçamos, sintetizamos o que vimos mediante os nossos corpos numa vivência interessante e fomos à prática, ver alguns projetos já vivenciados e outros ainda em construção.
Um deles me encantou. Os alunos de 4° e 5° anos visitaram comunidades carentes em busca de entender melhor a cultura popular. Foram em busca de metáforas, de conhecimentos, de histórias e relatos para então voltarem à faculdade e transformar o que detectaram em uma história infantil que voltaria depois à comunidade. Um encanto de projeto e de uma qualidade fantástica. Fez arrepiar. 
No dia seguinte, fomos a uma das sete comunidades que a Srishti apoia, oferecendo ajuda múltipla para trazer de volta as crianças e jovens que haviam abandonado a escola. Assim, dentro da comunidade e com a grande colaboração deles propiciam ampliar os horizontes de todos. Outro projeto de arrepiar. Estivemos com alguns alunos que deram belíssimos depoimentos de superação. Mostraram o funcionamento genial da escola e as possibilidades que se abrem a eles. Alguns já em faculdades, outros em trabalhos que antes nem podiam imaginar, falavam e apresentavam o seus crescimentos.
E a noite, jantamos com o staff da Faculdade, cada qual expondo o seu projeto principal dentro daquele vivo sistema educacional transformador de mundos e gentes. Aplausos, aplausos, aplausos. Propostas que fazem sentir e sentido. Bravo!


14 comentários:

  1. Anônimo3/06/2015

    Com certeza um dos highlights da viagem!!!!
    Andressa Lutiano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E que highlight! Comovente!
      bj grande

      Excluir
  2. Anônimo3/06/2015

    Ligia querida, mais uma vez obrigada por nos presentear com essas maravilhas. Você é incrível! Uma educadora para lá de generosa.
    De sua fã e sempre aluna.
    Cris Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris querida, você é que é generosa e sempre presente. Um lindo presente a todos nós! bj grande

      Excluir
  3. Anônimo3/09/2015

    Mais um momento especial que vivemos na Índia narrado com sensibilidade por Ligia Pacheco.
    Monica Sâmia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monica, que privilégio tivemos de viver tudo isso! Que viagem transformadora de sentir e sentidos. Uau!

      Excluir
  4. Anônimo3/09/2015

    Maravilha! Estou amando as postagens. Você consegue nos fazer viajar junto com você.
    beijo enorme
    Bia

    ResponderExcluir
  5. Anônimo3/10/2015

    "Primeiro, a experiência. Explorar sem muito pensar. Segundo, pensar a respeito e de diferentes formas. Terceiro, voltar-se à experiência modificando-a." Exatamente como você fazia conosco há mais de 20 anos. Você é uma professora inesquecível! Como eu queria que fosse professora dos meus filhos!
    Um beijo da Fê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fê, que escola foi para mim ter com-vivido com vocês. "Eu vejo que aprendi o quanto ensinei."
      bj enorme

      Excluir
  6. Anônimo3/17/2015

    “Se você aprendeu só em livros, o seu conhecimento está limitado entre A a Z. É preciso ir além disso.”
    “Se você enxerga a guerra fora é porque você tem a guerra dentro. Se você vê o amor fora, é porque você vê o amor dentro.”
    Os indianos buscam a felicidade a partir do que tem.
    Os brasileiros almejam a felicidade a partir do que não tem.
    Magnífico!!! Shukriáh Lígia.
    Ronaldo Sabino

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ronaldo, grandes ensinamentos para se colocar em prática já. bj enorme.

      Excluir
  7. Depoimento emocionante! Muito obrigada por compartilhar todos esses aprendizados. Você se inspira e nos inspira. Parabéns! Com carinho, Gabi.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este projeto no todo é de chorar. Como não compartilhar, não é?
      Saudades saudades

      Excluir