3 de abr de 2013

65- SERÁ QUE CONHEÇO MEU FILHO?



Assisti esta semana o filme “A busca”, dirigido por Luciano Moura e protagonizado por Wagner Moura que me fez refletir o quanto (des)conhecemos os filhos e o que é preciso para conhece-los melhor. O longa é um triller dramático. O casal vive uma crise conjugal, o pai é bem austero e controlador e o filho que está prestes a completar 15 anos sai em viagem, mas não volta. O pai em desespero sai em sua busca e  percorre uma longa jornada atrás das pistas deixadas, encontrando várias lições de relações humanas, e da relação entre pai e filho. Há muitas cenas especiais, mas vou citar apenas uma para não estragar o filme de quem ainda não assistiu. O pai mostra uma fotografia 3X4 do filho a um barqueiro que havia estado com o menino dias antes. O homem em sua simplicidade diz algo como: “O rapaz que esteve aqui é muito diferente deste menino aí.” A foto era do garoto com seus 5-6 anos, enquanto ele já estava fazendo 15!  E pensei: Quantas vezes não enxergamos que os filhos cresceram com seus sonhos e desejos! “Olha pra mim” dizia uma das músicas da trilha sonora. Arnaldo Antunes deixou seu recado. E, foi mesmo lindo perceber a aprendizagem do pai nesta jornada, conhecendo o filho através do seu rastro, como também a si próprio. Foi visível a sua transformação, e fácil perceber que o resgate do filho, acaba sendo um resgate dele próprio. Saí do cinema reflexiva, pensando em minhas filhas, em mim e com uma certeza: Só é possível conhecer o outro, conhecer o filho, quando nos dispomos a conhecer, primeira e verdadeiramente, a nós mesmos. Vamos lá?

8 comentários:

  1. Anônimo4/03/2013

    Tb assisti e encantei. Realmente não conhecemos nem nôs mesmos e nos surpreendemos e aprendemos a cada dia. Abraço. Marcos

    ResponderExcluir
  2. É verdade Marcos. Quando menos esperamos damos de cara com nós mesmos. Forte abraço

    ResponderExcluir
  3. Lígia este post nos faz realmente refletir...imagine quem assistiu ao filme?! me deu vontade. Não sou mãe, mas sou psicóloga infantil e percebo que muitas vezes pais e filhos vivem na mesma casa mas como moradores de uma república, cada um no seu mundo e separados por um grande abismo. Com certeza esse é um filme recomendado pra trabalhar com os pais sobre a possibilidade de construção de uma ponte sobre este abismo!

    www.leticiapsicologa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Lígia postei o link deste post no meu blog...claro que com as devidas especificações da fonte...espero que se sinta homenageada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leticia Santos, o filme vale a pena ver. Dei uma entrevista semana passada para a Band News e o tema tratava das novas configurações familiares e a escola. Fiquei pensando na concepção de família dos dias atuais. E infelizmente, em muitas delas, podemos dizer que família é um conjunto de pessoas que tem a chave da mesma casa, ou da mesma república como você bem colocou.
      Claro que fiquei lisonjeada em estar no seu blog. Obrigada. A proposta é esta mesma: compartilhar.
      Fui no seu blog e gostei bastante. Parabéns.
      bj grande

      Excluir
    2. Eu tenho paixão pelo tema família....principalmente com relação ao relacionamento entre pais e filhos. É sempre bom trocar figurinhas. Seja sempre bem-vinda ao meu blog e eu estarei sempre de olho no seu, que é muito rico.
      Beijo

      Excluir
  5. Anônimo4/16/2013

    Olá Ligia. Sou seguidora da Letícia e agora vou seguir você rs. Assiti o filme e fiquei encantada. Eu vi um outro filme interessantíssimo que fala justamente de uma família com uma nova configuração, chama-se Minhas mães e meu pai. Parabéns pelo seu trabalho, já compartilhei pros meus amigos. Abs. Beatriz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom esse intercâmbio neh Beatriz?! o blog da Ligia é enriquecedor. Feliz por vc segui-lo e por ser leitora do meu tb. Um beijo.

      Excluir