16 de abr de 2013

66- NO AR: AS NOVAS CONFIGURAÇÕES FAMILIARES

Fui novamente entrevistada pela BANDNEWS com mais um tema provocador: “As novas configurações familiares”.
É certo que nenhuma mudança pode ser vista de forma isolada. A família faz parte de um contexto maior, histórico-sócio-político-econômico-cultural, onde a mudança de uma das partes modifica as demais. E é fato que a família vem sofrendo nas últimas décadas mudanças profundas quanto a sua natureza, função, composição e concepção. Observe: Na década de 70 meus pais se separaram. Meus irmãos e eu perdemos os nossos amigos, tivemos que mudar de escola e algumas delas não nos aceitaram alegando que seríamos más influências às outras crianças. Vinte anos depois, minha filha chega da Educação Infantil aos prantos querendo saber quando iríamos nos separar, visto que ela era a única na classe que tinha os pais casados. Interessante notar a velocidade da mudança! Por motivos opostos, tanto eu quanto ela éramos “ETs” na sociedade! Além disso, qual escola hoje ousaria negar a matricula de uma criança de pais separados? Não há como fechar os olhos para a mudança familiar, hoje composta por múltiplos e diferentes arranjos: monoparental, homoparental, adotiva, recomposta, comunitária entre tantos outros formatos, que em breve estarão normalmente incorporados ao novo contexto. Independente de nossas crenças, valores, princípios, a diversidade é rica, cada qual tem o direito as suas escolhas, a criança não deve pagar o preço pela mudança e o preconceito não impedirá o turbilhão das transformações. Reflitamos.
Tendo interesse, segue o link da entrevista:

6 comentários:

  1. Anônimo4/16/2013

    Olá Lígia. Como já havia falado no comentário do outro post, indico o filme - Minhas mães e meu pai - pra vc e seus leitores. Fala sobre uma família diferente. Odeio preconceito seja de que maneira for, o preconceituoso é um hipócrita. Abs Beatriz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Beatriz. O preconceito é uma hipocrisia. Todavia, há preconceitos que nem tomamos consciência deles. Isto é, temos sem percebe-los. Por isso precisamos todos ficarmos atentos às nossa concepções e ações sem medo de ressignificá-las. Obrigada pela dica do filme. Não o assisti ainda, mas de acordo com o título dá para se ter uma noção. Conheci bem recentemente uma familia assim: duas mães e um pai. beijocas e obrigada pela participação.

      Excluir
  2. O preconceito existe e precisa ser trabalhado por cada um de nós. Não é preciso mudar de opinião, mas é preciso respeito. Não adianta virar a página, a cara, a direção. É preciso encarar as mudanças e aprender a conviver com o diferente, porque é com as diferenças que aprendemos coisas novas. Mais importante que o formato da família é a educação que ela pode dar a uma criança. Parabéns Ligia! Beijos, Gisa Hangai

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Gisa. Mais importante é a educação, o afeto e as oportunidades que uma família pode dar a criança do que o seu formato. Quando falamos em adoção esta questão amplia ainda mais. Demoram tanto a entregar a criança aos pais, principalmente quando o formato foge dos padrões convencionais, que a fase mais importante da criança perde-se na espera. É uma pena. Um beijo grande e obrigada pela participação.

      Excluir
  3. O "x" da questão, principalmente pra quem trabalha com família, dentre eles educadores e psicólogos, não adianta negar, lutar contra....as transformações e novas configurações de família estão aí. E qualquer dia desses bate na porta do nosso consultório, nossa escola, nossa vizinhança. Temos que realmente refletir e procurar meios de lidar com isso com um igrediente essencial: RESPEITO!

    www.leticiapsicologa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isto mesmo Leticia. Independente de nossas crenças, o respeito à escolha alheia é fundamental. E essas novas configurações familiares já ganharam espaço na sociedade e buscam sua legitimação. Já estão a bater em nossas portas. bj grande e obrigada.

      Excluir