16 de nov de 2011

43- A ESCOLHA DA ESCOLA

Se o meio é tão essencial ao desenvolvimento de um filho, uma boa escola torna-se fundamental. Mas como escolhê-la? Já escolhi muitas escolas para as minhas filhas, por mudarmos muito de cidade. Minha filha mais velha acaba de terminar o 3º ano do Ensino Médio em sua 9ª escola. E, creia, temos grande preocupação em escolhê-las. É tão importante que ao chegar na nova cidade, a escola é escolhida antes da moradia, pois sabemos o quanto o trânsito desgasta qualquer ser humano. Além disso, há trabalhos em grupo, atividades extras curriculares, festas de amigos e a logística fica mais fácil quando se tem autonomia para ir e vir. Em cada idade, valorizávamos aspectos diferentes nas escolhas. Mas em todas as fases havia algo em comum: a escola tinha que ter espaço, ser afetiva, preocupada com a construção do ser e do conhecimento (e não a reprodução deles). Ter uma proposta pedagógica que afinasse com a nossa visão de homem e de mundo.  Mas, com o tempo fui percebendo que toda escola tem seus acertos e erros, e que a melhor delas é a própria família, inclusive para consertar erros cometidos pela escola. E, aprendi que de nada vale uma proposta maravilhosa, se o professor não for um encantador de alunos, e se não resignificar a sua prática diariamente. E que importante mesmo é que o filho seja feliz, sinta-se gente e possa compreender e transformar a si, aos outros e ao mundo com respeito, liberdade, autonomia e responsabilidade. Esta é a boa escola para as minhas filhas.

2 comentários:

  1. Bruna Dutra11/17/2011

    Adorei o texto...

    ResponderExcluir
  2. Bruna querida, que legal te ver por aqui! Você adorou o texto e eu adoro você. bjs bjs

    ResponderExcluir