26 de set de 2015

166. TABLET NA BANDEJA


Fui a um restaurante e na mesa ao lado havia uma criança pequena chorando. Meu marido comentou: “Isto é choro de dente nascendo!” Achei graça, pois nossas filhas já estão moças. Como é que ele se lembra? Mas também gostei, pois ele é e sempre foi um pai realmente atento e participativo. Mas a surpresa mesmo veio em seguida. O garçon passou por nós com um tablet na bandeja e o serviu à menina. Colocou-o em sua frente apoiando-o em um tripé e rapidamente selecionou joguinhos atrativos à sua idade. Ela ignorou, afinal choro de dente nascendo parece não combinar com joguinhos, mas com afago. Chamei o garçon e lhe perguntei: “Este tablet é do restaurante?” E ele respondeu afirmativamente, justificando-se: “Como não temos aqueles espaços para as crianças, então tomamos esta medida para distraí-las. Foi o jeito!” Entristeceu-me a cena e sei bem o porquê. Acho o momento da refeição muito especial. Serve para a família conversar, rir, conhecer-se mais, enriquecer os sentidos com alimentos e situações diferentes. Serve para educar, ensinar, aprender, fortalecer relações. Alguém pode dizer: “Mas eles não sabem se comportar na mesa! Eles não páram quietos e não deixam ninguém conversar!” Verdade. Eles não nasceram sabendo estas coisas e  isto se ensina enquanto se vive a situação. Aproveitem pais esses momentos tão ricos e cada vez mais raros com os filhos. Não os deleguem a um tablet ou a uma monitora de restaurante. Ensine-os a terem prazer em ficar com vocês. Tão bom... tão bom... tão bom.

6 comentários:

  1. Anônimo9/26/2015

    Infelizmente está assim mesmo. Famílias separadas em uma mesma mesa cada um no seu mundo virtual. Uma pena!

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente! Todos os momentos são únicos! Como é importante a interação!

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente enquanto o restaurante cria mecanismos pra driblar a concorrência/crise, os pais "dormem" frente às evidências e a infância de hoje segue lentamente adoecida.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo9/28/2015

    Minha família investe muito na conversa olho no olho e vejo que dá resultados maravilhosos. Não troco a convivência com meus filhos por nada.
    Fernanda Siqueira

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto. Vou publicar na página do Facebook da escola da minha filha: Vivência e Convivência.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Concordo plenamente com suas colocações Ligia!
    A banalização destes dispositivos está acontecendo pelo simples fato das famílias não estarem preparadas para gerenciar os seus membros nesse contexto tecnológico.
    Estão deixando de ensinar os verdadeiros valores aos filhos e acelerando este processo, que eu chamo de ¨banalização tencológica¨, no qual essa nova geração não consegue perceber as próprias habilidades sendo potencializadas por estes recursos. Simplesmente os pais colocam um tablet na mão dos filhos para que os mesmos parem de chorar, enquanto eles deveriam estar ensinando o lado bom de todas essas tecnologias!

    ResponderExcluir