7 de ago de 2014

112. EDUCAÇÃO PELO MUNDO XIX: Finlândia: Coerência do princípio ao fim.


Nas escolas visitadas na Finlândia, vê-se excelente estrutura, moderna e ampla, espaço transparente, organizado e limpo. Nos corredores, obras de artes feitas pelos alunos são repletas de mensagens, habilidades, liberdade e respeito à diversidade. 
Além das aulas do currículo básico, os alunos têm várias optativas. Aulas de línguas, instrumentos musicais, corte e costura, gastronomia, lavanderia, marcenaria, tecelagem entre outras, com salas incrivelmente bem equipadas. 
E claro que numa sociedade tão igualitária e com mão de obra tão cara, no mínimo, aprender a fazer de tudo é uma excelente opção. Meninos e meninas cozinham, costuram, soldam, martelam sem distinção. A maioria dos alunos tem aparência saudável, descontraída e feliz. E o clima difícil não os impede de nada. Equipamentos e roupas especiais fazem com que a vida continue e explorem os conhecimentos para além das salas de aula.
Em geral, a conversa iniciava-se com a direção, mas eram os alunos que nos apresentavam as escolas em movimento. Apesar de ainda jovens, mostravam-se bem posicionados, seguros e cientes do que diziam. Sabiam o que aprendiam, o por que aprendiam e como aprendiam cada coisa. Que maravilha! Mas isso não é milagre. Para se ter uma educação de referência, o professor tem mesmo que ser bom, dedicado, estudioso e gostar do que faz. Precisa desenvolver nos alunos diversas habilidades e competências, diversificar métodos de ensino pois cada aluno aprende de um modo e em um tempo. Usar ainda os diversos sentidos e tecnologias, e propor várias possibilidades de aprendizagem. E isso vi na prática. Cito um exemplo: Os alunos haviam escrito um texto sobre um dado assunto, usando caneta e computador. Depois transformaram-no em imagens, então em colagens e por fim em audiovisuais. E tudo era apresentado ao grupo. As neurociências aplaudem!
O professor divide ainda os alunos em grupos de acordo com as capacidades e habilidades, e para isso é preciso conhece-las e saber identifica-las. Como também, possibilita que os melhores alunos ajudem os que têm mais dificuldade para que todos sejam bons. Mas ele não trabalha sozinho. Tem o apoio de um equipe de profissionais, o que contribui para um trabalho que prima a unidade na diversidade, e à igualdade. E isso também vi. Os alunos não são competitivos, mas estimulados à convivência e à construção em conjunto, pois ninguém aprende sozinho.  “Se é para competir que seja consigo mesmo para ser melhor.”, diz Mikael Flemminch do Conselho de Educação.
E nota-se, na prática, que os alunos têm mesmo a responsabilidade, e  não sofrem tantas pressões. A avaliação, por exemplo, serve em especial, para trazer informações aos alunos e aos professores sobre os ajustes necessários tanto ao ensino quanto à aprendizagem. Bravo! Disse-me uma professora: "A escola não é lugar de competitividade e alta pressão. Mas sim lugar de fazer amigos, aprender e ser feliz." E assim parecia ser.
O que mais dizer?
Finlândia, coerência é o seu sobrenome. E qual o nosso?

14 comentários:

  1. Anônimo8/10/2014

    Viva Lígia! Que texto delícia! Que educação maravilhosa e como estamos longe dela! Só não vou ousar dizer o nosso sobrenome, porque este já sabemos.
    Grande beijo de sua sempre aluna.
    Paty Lemos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Paty, adoraria se conseguíssemos mudar o nosso sobrenome. Ainda tenho um fio de esperança. Bem pequeno mesmo, mas que me mantém viva. Façamos a nossa parte que já é uma grande parte.
      Um beijo enorme

      Excluir
  2. Estou seguindo os textos. Sempre bom lembrar e comparar os pontos de vista. Um grande abraço, Carlos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos querido, adoraria saber o seu ponto de vista, visto que és homem inteligente, crítico e bastante perceptivo. Afinal, vemos a partir do que temos em nós. Assim, um ponto de vista sempre será uma vista para um ponto. Troquemos os pontos.
      Grande abraço

      Excluir
  3. Anônimo8/11/2014

    Pensei que fosse uma utopia minha, mas realmente existe escola assim!
    Carolina Araújo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol, existe sim escola assim. E, creia, são todas públicas. Que diferença gritante quando comparada às nossas, não?
      beijo grande

      Excluir
  4. Anônimo8/11/2014

    Parabéns professora Ligia Pacheco. Tive a honra de estudar com a senhora na FAFIRE. O texto e ótimo , mas estamos longe dessa realidade, quem sabe um dia chegaremos perto desse exemplo de educação. Abraços. Rose Andrade Andrade. Fafire.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos sim longe desta realidade. Bem longe mesmo, se pensarmos que a educação na Finlândia é toda gratuita, inclusive as escolas particulares. Mas, se não começarmos... como alcançaremos? Sonhar sim, mas bem acordados, arregaçar as mangas e colocar a mão na massa. De grão em grão você chega a um milhão, já dizia o sábio ditado.
      beijo grande

      Excluir
  5. Anônimo8/12/2014

    Pra quem gosta do assunto: Filhos, Educação, Pais, Educação pelo mundo; vale a pena seguir as postagens desta excelente Psicóloga e Educadora Ligia Pacheco. O seu blog na revista "Pais e Filhos" é excelente. Quando ela foi a China e postou tudo o que observou lá fiquei "encantada"! Informação que enriquece. FICA A DICA.
    Ligia Bulhões

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ligia querida, obrigada pela divulgação. Fico feliz que tenha se encantado. Esta é mesmo a ideia. beijo grande

      Excluir
  6. Anônimo8/12/2014

    Perfeito Ligia, queria muito ter feito esse viagem e ver isso de perto.
    Luiza Caraciolo

    ResponderExcluir
  7. Luiza Caraciolo Vale mesmo a pena ver de perto. Afinal, o que faz sentir faz sentido. E é mais fácil sentir ali, com todos os sentidos. Vamos na próxima? bj grande

    ResponderExcluir
  8. Anônimo9/27/2014

    Aprender com prazer...isso é tão importante. Me lembrei da "cola da memória". Parabéns por repassar seus conhecimentos com tanto encantamento, paixão e talento. Bjs, PatVal.

    ResponderExcluir
  9. Professora Ligia: esta educação presenciada e relata por voce é parecida, igual ou não com a Educação Waldorf? Estou errada? Por favor me esclareça.

    ResponderExcluir