10 de mar de 2014

96. SOU MODELO DO MEU FILHO, E AGORA?


Num salão, a manicure conta que o programa favorito da filha de sete anos é ir à livraria e comprar livros. Uma das clientes exclama: “Que sorte a sua! Meu filho odeia ler!” A manicure indaga: “Mas você gosta de ler?” E de pronto, ela responde: “Odeio, mas sempre falo pro meu filho ler.”
Educação não é sorte e nem falação. É ação, e somos por um bom tempo os principais modelos dos filhos. Claro que ação fundamentada e orientada traz melhores benefícios, pois ações dizem mais que palavras. A criança inicia o seu processo de desenvolvimento pela imitAÇÃO. Conheço a manicure e a sua paixão pelos livros. Não é sorte. Sua filha gosta de ler, pois vê a mãe lendo com prazer. A criança vê, observa e aprende. Já a outra mãe, sem perceber, ensina o oposto. Importante notar que se a criança imita o bem, imita também o que não convém. Todavia, não somos modelos perfeitos e nem a criança é capaz de analisar as ações dos pais com criticidade, selecionando só o que é bom. Eis o perigo da infância: as crianças são como esponjas. Absorvem a tudo, o bem e o mal de todos nós. Mas e agora?


Rever-se. 
1. Olhar-se sempre de frente, sem medo de ver e de se modificar.
2. Enxergar-se nas ações do filho e rever as próprias.
3. Aprender (você) e ensinar ao filho, desde pequeno, a ter criticidade com humanidade, a perceber as falhas, os erros, a construção do ser, a criar base para ser seu próprio modelo.
Misture tudo com dedicação, leveza, sabedoria, paciência, amor,  lon-ga-ni-mi-da-de...  E, saboreie.

6 comentários:

  1. Anônimo3/14/2014

    Estou vendo desenvolvimento infantil na faculdade e achei esse texto muito inspirador! Muito bom (:
    Andressa Carvalho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Andressa Carvalho, Eu fiquei muito feliz que você está cursando Psicologia. Parabéns, viu? Fiquei mega orgulhosa. Merecido. E tenho aqui vários livros... se precisar e só vir visitar a biblioteca. E no blog você começará a identificar várias teorias que vê na faculdade. beijão e adoro você. :))

      Excluir
  2. Anônimo3/14/2014

    Nossa, que linda!! Muito obrigada você! Hahaha pode deixar, vou te visitar e visitar os livros (((: saudades, também adoro você e seus textos.
    Andressa Carvalho

    ResponderExcluir
  3. Anônimo3/14/2014

    De fato prof.ª Ligia Pacheco é muita responsabilidade . Aqui em casa nosso pequeno volta e meia se sai com: "pai, não fala pôurra, porque pôurra e muito feio. Eu não falo pôurra pai". Estou me vigiando.
    Miguel Vieira Jr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miguel Vieira Jr, Adorei esta... Afinal, pôurra é mesmo feio. Rsrs Que lindo os filhos são! Abraços

      Excluir
  4. Linda reflexão. Ontem mesmo, conversando com uma amiga, falávamos da importância que os pais têm para a formação e desenvolvimento do filho. O poder que eles têm, e nem sempre percebem, de investir e incentivar o desenvolvimento do filho ou contribuir para um mau aproveitamento disso.
    Amei o texto! Parabéns.

    ResponderExcluir