8 de mai de 2013

69- MÃE EM CONSTRUÇÃO.


No princípio era eu com meus sonhos, desejos, valores. Depois, virei nós com laços matrimoniais e vi que também era bom. E então, viramos três e percebi que ser mãe era algo mágico e de grande responsabilidade. E logo, viramos quatro e notei que ter a própria família era deliciosamente bom.
Mas também me dei conta de que o “eu” do princípio já não existia mais. Mudei hábitos, gostos, valores e os planejamentos de vida eram pensados para mim e para além de mim. A vida passava a ser com-partilhada. Já não tinha a independência e a liberdade de outrora, mas pesando na balança era notório que valia a pena.
E a vida correu e nós crescemos e amadurecemos sempre em busca de harmonia. Crises, desentendimentos, dificuldades, dúvidas também tivemos. Mas, sobrevivemos, fortalecendo sempre os laços fundados no respeito, no diálogo, no compromisso e na construção do amor de um para com o outro.
Por muitas vezes, abri mão de mim, afetando minha vida pessoal e profissional. Nem sempre foi fácil esta escolha, mas eu a fiz de forma consciente e por isso, sem cobranças. Outras tantas vezes, percebi que educar os filhos era um educar-se constante. E, que para (trans)formar um ser era preciso tempo, dedicação, quantidade e qualidade de princípios, conhecimentos e ações num dia que só tem 24 hs. Também notei que não bastava o coração. Era ainda preciso o estômago, pulmão, músculos, cérebro, coluna, corpo e alma por inteiro. E, ainda reunir, para além da própria profissão, todos os diplomas em um só ser: administradora, contadora, médica, enfermeira, dentista, professora, psicóloga, motorista, nutricionista, cozinheira, faxineira, engenheira, advogada, malabarista, animadora, ninja, entre tantos outras. Tudo isso virei ao ser mãe. Nada tranquilo, mas viva a potencialização do ser.
E num piscar de olhos as meninas cresceram, ampliaram seus recursos e bagagens, fortaleceram as asas e voam cada dia mais alto. O ninho vazio bate a porta, mas os laços continuam firmes. O coração e mente estremecem, mas dá muito orgulho, prazer e felicidade apreciar seus desenvolvimentos. Mais uma etapa, mais uma nova aprendizagem. E vi que ser mãe é uma construção sem fim, deliciosamente humana. E, que transforma o “eu” em “nós” para sempre, por mais que os filhos comecem a própria história de que no princípio era eu com meus sonhos, desejos, valores...  

12 comentários:

  1. Respostas
    1. Paula Ferrinho, e não é assim? rsrs Obrigada, bjs

      Excluir
  2. Olá Ligia
    Feliz dia das mães para você. Linda reflexão, gostei da frase: "E vi que ser mãe é uma construção sem fim, deliciosamente humana. E, que transforma o “eu” em “nós” para sempre, por mais que os filhos comecem a própria história de que no princípio era eu com meus sonhos, desejos, valores..." Bjs amada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucinalva, é um ciclo, não? Muito linda é a maternidade e a nossa missão. um bj grande

      Excluir
  3. Meus olhos se encheram de lágrimas. Lágrimas de muita felicidade e um sentimento enorme de satisfação por fazer parte disso, e por ter tido a sorte e oportunidade de ter nascido nessa família. Sei que abristes mão de muitas coisas, muitos sonhos, muitas oportunidades, muitos desafios, muitos desejos por buscar fortalecer essa ligação, por nos dar base, estrutura e coragem pra alcançar voos. Por acreditar nisso tudo.
    Hoje olho pra tudo isso com um orgulho indescritível, de ter essa família, e por, apesar de cada um estar seguindo seu caminho, estamos todos muito unidos, como sempre. É uma nova fase, são novas circunstâncias que ao mesmo tempo que nos distanciam, só nos aproximam.
    E que isso continue assim, tão especial, tão único, tão nosso.
    Simplesmente te amo, mais que tudo.
    E sinto saudades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gabi, eu também agradeço imensamente a oportunidade de ter sido mãe e de ter uma família tão especialmente linda. Amo você.

      Excluir
  4. Ligia, parabéns pela visão do "eu" e do "nós". Com certeza vale a pena. E o que seria o "eu" sem o "nós" e do "nós" sem o "eu". E vc sabe viver isso muito bem. Vcs "dois" formaram e educaram "duas" meninas de ouro e com certeza "elas" irão formar e educar mais "nós" com muito amor, harmonia, sabedoria e base, como tiveram sempre de "vocês". É bem difícil as distâncias, as mudanças, os voos, mas faz parte da vida e do aprendizado para a vida.
    Ligia, Gabi e Camila, como diz a música: " É que o AMOR é soberano e supera todo engano sem jamais perder o ELO ". E o de vocês é inquebrável.
    Feliz Dias das Mães e feliz dia das filhas das mães.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Patricia Valéria. E é verdade. Este elo foi estabelecido e dificilmente se quebrará. E voar faz parte mesmo. Aliás, sempre me preocupei em possibilitar o desenvolvimento das asas das meninas. Agora "aguenta coração"! rsrsr bj grande

      Excluir
  5. Anônimo5/14/2013

    FELIZ DIA DAS MÃES ATRASADÍSSIMO LIGIA. NÃO TENHO VISTO VOCÊ NA PAIS E FILHOS. ABS CARLA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carla, a Pais & Filhos mudou de plataforma e foi para a UOL. Mas continuo lá escrevendo. No canto esquerdo aqui do blog você encontra o link que a leva para as minhas últimas colunas. abraços

      Excluir
  6. Ligia que orgulho suas filhas devem ter em ter você como mãe e como NÓS. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos, nós temos orgulho da nossa família, de cada um dos nossos, e isso é muito bom. Ter admiração pelo outro é um primeiro grande passo.
      Grande abraço,

      Excluir