20 de abr de 2016

179. INGREDIENTES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

A criança se desenvolve através de aprendizagens. E, na maioria das situações ela precisa vivenciar para aprender, e quanto mais sentidos estiverem envolvidos melhor. Assim, a criança precisa ter oportunidade, interagir com o  que vai aprender e ter motivação para manter a aprendizagem. Por exemplo: Você pode dizer à criança a definição de vulcão. Ela está tendo a chance de aprender pela via da audição e de modo bem abstrato, o que para ela é ainda bem difícil. Mas, se você estiver ao pé de um vulcão e definí-lo, mais sentidos estarão envolvidos, a definição fica mais concreta e palpável e ela terá mais chances de aprender. O cérebro agradece. Se ainda for a algum museu de ciências, destes que podem interagir, e tiver a explicação sobre o vulcão, mais sentidos e mais áreas cerebrais serão ativadas. E se fizer ainda com a criança uma maquete de vulcão e colocá-lo para funcionar, mais complexa e prazerosa será a aprendizagem, e com ela o desenvolvimeto. Isto vale para todas as aprendizagens. Sentir na pele, como dizemos, é o melhor jeito de aprender. Claro, sei que é difícil criar tantas oportunidades assim. Nós vivemos com nossas filhas cada um destes passos. Aproveitamos férias e viagens para ajuda-las a identificar no concreto o que aprendiam na escola e na vida. Claro que o vulcão é um dos exemplos. Mas, testei e aprovei que explorar aprendizagens potencializam o desenvolvimento integral dos filhos. Oportunidade, interação e motivação são os ingredientes principais para aprendizagens e desenvolvimentos. Que tal criar interessantes receitas?

6 de abr de 2016

178. 3 DICAS PARA MELHOR ENTENDER E AJUDAR O SEU FILHO.

1. Tudo o que aprendemos vamos representando na memória. Se digo “árvore” observe como o seu cérebro identifica a palavra, traz imagens e lhe possibilita a ter acesso a vários conhecimentos e lembranças sobre árvores que você construiu a partir da sua experiência. O mesmo ocorre com o seu filho, e por isso o que está representado em você, não está nele e nem em mais ninguém, pois cada um tem a sua experiência e o modo como representa e organiza na memória. 
2. Interagimos com o mundo a partir destas representações mentais que construímos. Logo, quanto mais conhecimentos bem representados, mais a criança poderá perceber do mundo, abrindo-se a novas possibilidades de aprendizagens e desenvolvimentos. 
3. De certa forma, só percebemos o que já conhecemos. Conto um episódio para ilustrar. Umas crianças de educação infantil aprendiam sobre os insetos. No intervalo, foram ao pátio brincar, mas logo voltaram à professora em alvoroço. Estavam surpresas como o estudo havia feito o pátio ficar repleto de insetos. Claro que sabemos que os insetos já estavam lá. O que aconteceu é que ao dar início a construção das representações sobre os insetos, a percepção das crianças mudou. E elas viram o que antes lhes era desapercebido. 
Então, como podemos ajudar? Lembrar que nossas representações são diferentes das da criança. Atentar-se as suas descobertas, as suas representações, não dizer qualquer bobagem, mas ajudá-las a conhecer, perceber e construir correta e organizadamente o mundo, os outros e a si mesmo.