25 de jul de 2014

109. EDUCAÇÃO PELO MUNDO VI: A educação na Finlândia


 Prá quem acha que Finlânida é sinônimo de Papai Noel, Nokia e Angry Birds, pode ampliar a sua visão. É também a terra da educação de sucesso. Uma das melhores do mundo. Mas como?
A Finlândia foi destruída com a guerra, tornou-se independente há quase 100 anos, com uma população pobre e carente de estudos. É quase uma ilha, é bilíngue (Finlandes e Sueco) e tem um clima bastante cruel. Como conseguiram fazer diferença com tal perfil? Vamos em partes.
Em seminários com representantes do Conselho Educacional Finlandês, sob a chancela do Ministério da Educação e Cultura,  percebe-se que o sistema educacional é bem descentralizado. O Ministério da Educação traça as políticas educacionais e o enxuto Conselho Nacional de Educação coloca-as em prática. Elabora as diretrizes curriculares, que são adaptadas pelos municípios de acordo com sua realidade. As escolas adaptam-nas às necessidades locais, assim como os professores de acordo com a realidade e as necessidades dos alunos. O Conselho ainda, em amplo diálogo com as escolas, levanta dados (dos alunos, dos professores, dos métodos, dos problemas), analisa-os, compartilha com todas as escolas em busca de rápidas soluções. São cientes de que a educação deve ser cuidada no agora, mas também para um futuro, e para isso é preciso saber prever e resolver problemas. Levantam então as habilidades e competências atuais e as que se farão necessárias e traçam mudanças. Nota-se a ênfase dada à metacognição, à resolução de problemas e tomada de decisões, à criatividade e inovação, à colaboração e negociação, à cidadania e responsabilidade, às novas profissões, à comunicação em diversos idiomas, dando recursos para o desenvolvimento integral do aluno, abrindo-lhes portas de oportunidades sem fronteiras. E a educação funciona, pois há uma cultura da confiança onde todos são educados para trabalharem com liberdade, responsabilidade e autonomia em prol de um bem comum. Não há barganhas, não há falcatruas, não há supervisão. Há solução em todos os setores da sociedade. Cada um reconhece o seu papel e faz.

Claro que estamos falando de um  país com um pouco mais de 5 milhões de habitantes, com uma sociedade que prima pela igualdade, por desenvolvimento de mundos e gentes e que investe a longo prazo. Desde a década de 60, a educação básica é gratuita e obrigatória, e a partir da década de 70, o grau de mestre, a todos os docentes, tornou-se requisito mínimo necessário. O professor é muito valorizado e respeitado, e formado para ser consciente do seu papel social e da grande influência nas gerações futuras. Já o Brasil tem mais de 200 milhões de habitantes, a educação não é valorizada, temos uma cultura imediatista, oportunista e da vantagem, o que dificulta mudanças e implementações de ideias. Mas é possível mudar? Sim. Basta olhar os finlandeses. Resgataram a auto e heteroconfiança, educam bem o seu povo e com fortes princípios, não se acomodam, traçam sempre novas metas e com atitude as alcançam. Ficam aí as primeiras lições. Aguardem as próximas.

9 comentários:

  1. Anônimo7/25/2014

    Profe, parabéns por mais esta postagem. Lembro que você sempre dizia que era preciso fazer diferente para fazer a diferença. Mas será que o Brasil quer?
    Saudades de você e das suas aulas.
    Carmem Silva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carmem querida, eu diria que o povo brasileiro está dividido em grupos neste quesito. Uma boa parte nem tem consciência do que ocorre. Outra parte tem, mas não interessa mudar, pois é bom a eles que a maioria não tenha consciência. Outra parte, já desencantou e perdeu as esperanças. E outra ainda luta. Onde cada um de nós se encontra? Qual delas ganhará?
      Também tenho saudades das nossas aulas. Muito bom quando professor e alunos caminham na mesma direção.
      um beijo enorme

      Excluir
  2. É um circulo vicioso. Eles tem uma educação excelente baseada na confiança, porque eles vem sendo educados para confiar uns nos outros... Excelente post Ligia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos, concordo que seja um círculo vicioso. Comportamento gera comportamento. E nós aqui na cultura da desconfiança. É um tema que voltarei no próximo post. Será que um dia conseguiremos quebrar tal ciclo?
      beijo grande

      Excluir
  3. Anônimo7/28/2014

    Você é minha inspiração. Saudade viu!
    Ribeiro Elanni

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudades Elanni. A geografia nos afasta, mas a memória preserva. Até qualquer dia.
      beijo enorme

      Excluir
  4. Anônimo7/28/2014

    Obrigada pela contribuição do seu post Ligia Pacheco - a reflexão é: se quisermos uma educação significativa e de qualidade no futuro, precisamos começar hoje! não são receitas, são grandes ideias a serem seguidas!Mas o povo brasileiro precisa evoluir também!
    Simone Amorim

    ResponderExcluir
  5. Simone, um dos representantes do Conselho Nacional de Educação da Finlândia, disse algo que fiquei a pensar: "Pequenas ideias podem gerar grandes resultados". E parece que ele tem razão. Façamos a nossa parte. um beijo e já já vem o próximo post.
    Com carinho,

    ResponderExcluir
  6. Anônimo9/27/2014

    Educação gratuita e obrigatória. Esse é ponto. Bjs PatVal.

    ResponderExcluir