26 de jun de 2016

183. PEÇA TEATRAL: A RELAÇÃO PAIS E FILHOS.

Estive em São Paulo e a convite de minha filha mais velha fui assistir uma peça do grupo de teatro da faculdade ESPM. O assunto me interessava e a companhia das filhas mais ainda. O título da peça, “Cultivando cactos”, já dizia da relação espinhuda e que requer poucos tratos. O cacto sobrevive em condições precárias e quase sem alimento, assim como a relação pais e filhos, que existe e é, com ou sem alimento. A peça foi idealizada e dirigida pelo professor Otávio Dantas. Achei genial o tema e o processo da elaboração e de catarse. Os alunos através de suas percepções das relações com seus pais e de cenas de filmes recriaram histórias que apesar de arrancarem risadas, também espinhavam, pais e filhos. Várias eram as cenas intercaladas com vídeos: recados reais aos seus pais, daquelas que são mais fáceis de dizer longe dos olhos. Mas que precisavam ser ditos e ouvidos. Apelos, descompassos e abismos. Tomara que os pais tenham assistido a peça e que tenham fervilhado muitos diálogos.  Chamou-me a atenção como os jovens vêem os seus pais e suas relações, além da percepção crítica que têm de si mesmos. Ressalto alguns pontos: O apelo emocional que tanto pais quanto filhos sabem bem fazer. A reprodução de padrões comportamentais de pais para filhos. A dificuldade dos pais para lidarem com a diferença e a dos filhos para verem os pais como humanos. A consciência do jovem de que a vida lá fora não é fácil e as artimanhas para ampliar a adolescência. O fortalecimento das mães, que empurram os filhos para a vida e pressionam os pais para as tomadas de decisões. Entre tanto outros recados. Uma peça para entender mais desta relação e de si. Recomendo os divertidos espinhos. Parabéns ao grupo Tangerina! Bravo!

17 de jun de 2016

182. NOSSO FILHO DIZ DO MEIO EM QUE ESTÁ INSERIDO.


video

Este vídeo encontrado no YOUTUBE (prato-pandeiro), mostra o quanto o meio interfere na pessoa que vamos sendo. Note que para desenvolver precisamos aprender. E para aprender precisamos oportunidade, que dependerá da cultura em que estanos inseridos. Pode uma criança virar grande escritora inserida num meio iletrado? Pode, mas as chances são mínimas. Afinal, o meio diz de nós. Assim, o que possibilitamos aos filhos, dentro do que a nossa cultura e outras disponibilizam, é muito importante, pois dirão das aprendizagens e desenvolvimentos, e por conseguinte, dirão do ser da criança. Que ser vai ser? Mas isto não basta. Há muitas crianças em culturas repletas de possibilidades, que não percebem e nem sabem aproveitar, nem elas e nem seus pais, os vários elementos culturais que lhes servem ao desenvolvimento. Por isso, a melhor dica é, atente-se a tudo com olhos de criticidade. E ensine o seu filho a assim olhar. Escolha o que lhe faz bem ao desenvolvimento, sabendo que as melhores escolhas são as que dão mais trabalho. Ajude-o a manter-se curioso, motivado a aprender, buscando um sentido naquilo que aprende. Atente-se sempre aos elementos a serem oferecidos, ao modo como o seu filho interage com eles e tenha a consciência de que a criança aprende tudo, até o que nos escapa. 


3 de jun de 2016

181. NOSSO FILHO DIZ DE NÓS.

video


Este vídeo encontrado no YOUTUBE (cerveja x mamadeira) mostra bem o quanto nosso filho diz e dirá de nós.
A criança nasce com bem poucas construções. Terá que aprender tudo do mundo, de si, do outro, de nós. Mas, incrivelmente, nos primeiros dois anos de vida passa de um ser quase inerte a um ser que, se tiver espaço, estará com dedo em riste a nos apontar e mandar. Em apenas dois anos! Isto nos mostra o poder da aprendizagem da criança pequena. Porém, aprende como uma esponja. Ainda não possui amadurecimento neurológico para refletir sobre o que aprende. E nem tem bagagem suficiente para fazer escolhas com autonomia. Eis aí o perigo. Pois, ela aprenderá e construirá a si e o que está ao seu redor a partir das experiências que o meio, em que se insere, lhe oferta. E sem dúvida, este meio diz e dirá muito de suas concepções, percepções e ações presentes e futuras. E, quem é o principal “meio” da criança pequena, aquele que dará a base para as suas construções? Nós, os pais. Quanta responsabilidade! Assim, sempre é bom ao educar os filhos, reeducar-nos conjuntamente. Pois, há sempre muitas coisas a rever em nós e é bom que façamos isso antes dos filhos dizerem de nós.

Neste vídeo, vemos os pais já enganando a criança. E assim, a crinça aprenderá. E usam a bebida alcoólica como estratégia! E assim ela aprenderá. Será que é muito difícil perceber que a nossa responsabilidade como pais é imesa!!!! Cuidemos, pois tudo forma. Trans-forma, re-forma, de-forma... o que irei propiciar?