26 de abr de 2012

50- ONDE NOS LEVARÁ ESTE CONSUMISMO?


“Adolescente troca rim por iPad e iPhone” dizia a manchete estampada em negrito pela CNN Wire Satff. (Título original: 5 charged in Chinese kidney scheme, state media says. April, 7 2012). E o que dizia? Que um adolescente de 17 anos vendeu seu rim para comprar um iPad e um iPhone. Segundo a reportagem, eram cinco pessoas envolvidas no esquema, incluindo um cirurgião, que encontravam doadores em salas de bate papo da internet. Removeram o órgão do menino, que agora está com insuficiência renal e em estado de deterioração. O cirurgião recebeu pela operação cerca de 35 mil dólares, enquanto o rapaz recebeu US$ 3,5 mil pelo órgão retirado. Sua mãe soube do esquema, ao investigar de onde havia aparecido o dinheiro para a compra dos eletrônicos. Tarde demais!
Esta chocante reportagem faz-me pensar em algumas questões:
1- Até onde nos levará esse desenfreado consumismo?
2- Até quando iremos valorizar mais o ter do que o ser?
3- Onde foi parar a nossa condição humana?
4- Que cuidados devemos ter com os nossos filhos?
Uma única resposta me vem a mente: educá-los. Mostrar o valor que eles tem como seres humanos, ajudando-os a perceber e a enfrentar este consumismo que encanta, mas que nos transforma em produtos e nos desumaniza. Ensinar-lhes a andar na contra-mão da sociedade e a fazer diferença pelo que são e não pelo o que têm. Ensinar-lhes a ter criticidade e a se protegerem em prol da vida. Voltemos a valorizar o humano do ser.

20 de abr de 2012

49- PROTEJA SEU FILHO DO MUNDO REAL.

Percebo muitos pais assumindo ou protegendo o comportamento e a responsabilidade dos filhos. Isso não é educativo. Em reunião de Pais e Mestres, da Educação Infantil ao Ensino Médio , é muito comum percebermos pais aflitos com as atividades dos filhos. Anotam as tarefas, os conteúdos das provas, verificam com o professor cada passo dado pelos filhos. Estarão os pais protegendo-os do mundo real? Creio que não. Mas, alguém pode perguntar: “Mas se eu não faço isso, ele também não faz e será reprovado!” E eu rebato: “Como aprender a ter responsabilidade e autonomia se não se tem espaço para tal?” O ser humano tem uma tendência ao comodismo. Se os pais assumem a responsabilidade que é do filho, para que ele irá assumir? Além disso, se você não acredita na capacidade do seu filho, então é melhor parar e rever a maneira como está o educando, pois ele é sim capaz. Porém, só aprendemos a fazer fazendo. E a aprendizagem não se dá de forma passiva e automática. Pelo contrário, é um processo longo, que requer intenção, erros, acertos, esforço, reforço, motivação. E, por isso, ensinar requer paciência, persistência, vontade, criatividade, e principalmente, é preciso acreditar no aprendiz. Lembre-se: Seu filho precisa aprender a ter responsabilidade por seus atos, a assumir suas escolhas e a enfrentar as adversidades do dia a dia. Ensine-o e seja um bom exemplo. Isso sim irá protegê-lo do mundo real. 

9 de abr de 2012

48- PREPARE SEU FILHO PARA O MUNDO REAL.

PARA PENSAR:
Uma escola da Califórnia, cansada de ser processada pelos pais que exigem a aprovação do filho mesmo com muitas faltas e sem os trabalhos escolares, resolveu gravar em sua secretária eletrônica a seguinte mensagem:
- Olá! Para que possamos ajudá-lo, por favor, ouça todas as opções: 
- Para mentir sobre o motivo das faltas do seu filho - tecle 1. 
- Para dar uma desculpa por seu filho não ter feito o trabalho de casa - tecle 2. 
- Para se queixar sobre o que nós fazemos - tecle 3. 
- Para insultar os professores - tecle 4. 
- Para saber por que não foi informado sobre o que consta no boletim do seu filho ou em diversos documentos que lhe enviamos - tecle 5. 
- Se quiser que criemos o seu filho - tecle 6. 
- Se quiser agarrar, esbofetear ou agredir alguém - tecle 7. 
- Para pedir um professor novo pela terceira vez este ano - tecle 8. 
- Para se queixar do transporte escolar - tecle 9. 
- Para se queixar da alimentação fornecida pela escola - tecle 0. 
- Mas se você já compreendeu que este é um mundo real e que seu filho deve ser responsabilizado pelo próprio comportamento, pelo seu trabalho na aula, pelas tarefas de casa, e que a culpa da falta de esforço do seu filho não é culpa do professor, desligue e tenha um bom dia!"

3 de abr de 2012

47. RIA, NÃO COMPLIQUE E EXPLIQUE


PS: DE VOLTA
Minha coluna na Revista Pais & Filhos continua semanalmente. Toda quarta tem novidade no site da revista. A proposta é estar DE OLHO NO COTIDIANO e a partir dele refletir e trazer dicas que ajudam na educação entre pais e filhos. Mas, saudosa do FILHOsofar, consegui melhor me organizar e cá estou de volta. Então, vamos à primeira postagem de 2012.

RIA, NÃO COMPLIQUE E EXPLIQUE
Esta é uma dica bem importante da Mafalda.
Muitas vezes acreditamos que os filhos percebem a realidade assim como nós. Porém, quase tudo o que há em nosso cérebro é fruto da nossa experiência e que é única. O que muitas vezes parece óbvio aos adultos, para  a criança não é, pois ainda não construiu aquele conhecimento, ainda não o experimentou.
Quando eu era bem pequena, levaram-me para uma fazenda e vi pela primeira vez tirarem leite de vaca. Achei aquilo incrível, mas quando encheram um copo e me entregaram para beber eu logo respondi: “Não quero, eu só tomo leite de xícara!” Todos riram, eu não entendi a graça e ficou por isso mesmo. Anos mais tarde, descobri que aquele leite era o “mesmo” leite que eu bebia em casa. Observem, eu não sabia o processo do leite até que ele chegasse à xícara. Isso se aprende, como todo o resto. Diferentemente, os adultos que riram já tinham  este conhecimento, já tinham experimentado e vivenciado o processo. Eu não. Sei que me fizeram sentir como se estivesse entrando num filme que já havia começado. Assim, pode rir sim, pois a espontaneidade e as construções da criança são deliciosas. Mas, ajude-a a entender o que se passa. Afinal, você já entrou neste filme faz tempo!